9.10.12

Combinações óbvias



Tal como já mencionei ontem na única brilhante conclusão a que consegui chegar com o look roupa enrolada enfiada no armário que está a minha cabeça, o mundo está longe de ser feito apenas de causalidades, lógica e relações óbvias entre as coisas. Mas elas, as coisas óbvias, também existem e é isso que pretendo hoje celebrar. Se há coisa que tenho de inserir no "manual de intruções" da minha nave espacial é aprender a quando deixar-me ficar pelas soluções mais óbvias. Ás vezes consigo, outras nem tanto, mas na maior parte das vezes começo do óbvio, parto para o complexo e regresso ao óbvio novamente. Talvez a este óbvio possa juntar o instinto, parece-me uma relação... bem, óbvia. O que interessa é que regra geral, ambos existem porque regra geral funcionam. Mas também sei que essa capacidade de os reconhecer e aceitar reside geralmente naqueles que possuem uma auto-confiança, digamos, confortável e isso, óbvio ou não, falta-me. Mais prefiro não desenvolver.
Mas como não há regra sem excepção, há dias felizes, isto é, repletos de obviedade (sim, a palavra é feia e soa mal mas existe) pura e simples. Dias em que uma combinação de combinações resulta numa tarde encantadora e com alguém que em nada lhe fica atrás no adjectivo.
A primeira combinação dá-se entre duas meninas que gostam de fanzines, de desenhar, de design, de falar de ouvir e de comida - e isto tudo já sabiam uma da outra ainda antes de se conhecerem. Combinando o útil ao agradável, transformou-se uma recolha de informação numa tarde de amena cavaqueira, que por sua vez se combinou com um dia de Sol radioso numa Belém que com tais condições nunca desilude. Combina-se isso com relva fresca e pés descalços e o motivo do encontro com um "gostinho" do mesmo. Um gostinho com sabor e textura que combinam bem com céu azul ou cinzento, a pêra que combinam com a estação, os arandos que combinam com a pêra, que por sua vez combinam com as amêndoas.

Eis uma receita óbvia, nenhuma questão: scones de pêra, arandos secos e amêndoa com pés descalços num jardim em Belém acompanhado com uma nova amiga e temperado com de uma bela tarde de Sol.


Obrigada Amanda.


O que a Amanda, Milena, Blanca e Tiago fazem há já três anos é absolutamente de se lhe tirar o chapéu. A Mr. Spoqui encanta não só pela qualidade gráfica de cada edição, que é para mim absolutamente singular e original, mas também pela sua história, pela dedicação fenomenal que eles tem entre eles, que se reflecte num objecto íntimo porém desejoso de se mostrar a todos, como qualquer boa fanzine deve ser.
Falo dela a toda a gente, porque vale a pena e eles merecem não só recolher frutos do seu trabalho, mas que se veja o fruto do seu carinho.
Cada edição tem um tema e eles pediram-me para colaborar com eles para a próxima, pelo que podem já adivinhar qual será o tema desta. Esperem para ver, que quando for a altura podem ter a certeza que ficarão a saber.


Fiquem de boca aberta a saber mais sobre eles na Keep up the good work + Crap = good + We Celebrate + Twitter.


Scones de pêra, arandos secos e amêndoa

225g de farinha
1 c.chá cheia de fermento em pó
1 pitada de sal
1-2 c.chá de raspa de laranja
30g de manteiga sem sal, partida em pequenos cubos
3-5 colheres de sopa de leite, mais para pincelar
1 ovo grande, batido
30g de açúcar amarelo
140g de pêra (1 grande), descascada e cortada aos cubos com cerca de 1cm
25g de arandos secos, grosseiramente picados
25g de amêndoa palitada ou lâminada
açúcar de cana integral, para polvilhar

Pré-aquecer o forno a 220ºC. Engordurar ligeiramente um tabuleiro de 20x 20 no mínimo e forrar com papel vegetal ou polvilhar com farinha.
Juntar a farinha, fermento e sal numa tigela e misturar. Esfregar o açúcar com a raspa de laranja numa pequena tigela até humedecer o açúcar e libertar aroma. Juntar à farinha e misturar.
Misturar os pedaços da manteiga para cobri-los de farinha e esfregar com as pontas dos dedos até que comecem a parecer pedaços de areia, sem amassar, caso contrário a massa desenvolve demasiado gluten e endurece.
Adicionar o ovo e um pouco de leite, envolvendo ligeiramente com a mão ou com um garfo, novamente sem amassar. Ir adicionando leite apenas até que forme uma massa consistente, que se mantenha unida apenas ao limite, sem ficar peganhenta.
Juntar a pêra, arandos e amêndoas e envolvê-los completamente sem amassar.
Passar a massa para a bancada polvilhada com um pouco de farinha, formar um circulo com cerca de 2 cm de espessura e cortar em seis fatias uniformes.
Transferir as fatias para o tabuleiro, separadas com dois dedos de distância, pincelar com leite e polvilhar com um pouco de açúcar integral (amarelo ou mascavado também dão perfeitamente).
Levar ao forno durante 15-20 minutos até estarem crescidos, bem dourados e com as amêndoas visíveis bem tostadas. Podem testar se estão prontos batendo com os nós dos dedos na superfície - se fizerem um som oco estão no ponto.
Transferi-los para uma grelha para arrefecerem um pouco e deixá-los destapados para desenvolverem uma crosta bem crocante (para mim é a única maneira de comer um scone) ou podem tapá-los com um pano para amolecerem com a própria humidade.
Comer um (ou dois, ou três porque são pequeninos) ainda mornos com chá, leite, café ou o que quiserem. Tem é de ser com companhia.

faz 4-6 scones




































a ouvir: Let Her Go - The Passenger

1 comentário:

  1. por vezes do óbvio nasce o extraordinário :) obrigada a ti, Catarina

    ResponderEliminar